terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Sordidez - Del La Gartta.

Venho do mesmo canto pedir fome.
Fome de gente, fome de junto
De laço, de estranhos nomes
E vontades conhecidas,
Sendo quase disléxica ambiguidade.

Ando nutrindo generosos jardins,
Pétalas sonoras
Ávidos azuis, rosas...
Cheiro que derrete âmagos.

Saudade pura; os lírios de fato,
São o que acontece:

Entre o glitter assoprado no céu,
Entre o vão da intensidade dos dias,
Na quentura de cítricas cores
enquadradas...

E sim!
No chão das horas,
Um diálogo entre um amor - que acontece.






Lorena A.

2 comentários:

Diannus do Nemi disse...

Teu blog é fantástico. Com um título ainda mais ;)

Beijos.

Igor Veloso Ribeiro disse...

Só gosto dos que têm fome, que morrem de desejo - dos que ardem!
bjs linda!

scraps.


Trimera Casa de Letras.

Blogueiros do Piauí.