quinta-feira, 2 de julho de 2009

[pe]rsonal [ca]talogged [do]ssiê.



Aceitar os fatos e encarar os motivos é determinante. Aqueles cinco minutos inteiros foram o que somente nos separou. Começamos a dividir exatamente depois. Dividir desejos, dividir vontades e satisfação.


Sábia Mãe Natureza, nos faz um para o outro. Com proporções parecidas e cheiros característicos. O encaixe é consequência. E naquela tua boca, o meu medo caindo aos pedaços. Foi tudo química, mas sem medida nenhuma. Sem traduções de nada, ou resultados de alguém que perdeu alguma coisa. Só existiam texturas, sabores, aromas e amores. Fiquei sem pensar durante horas, sem palavras durante momentos também. Mas nada me soava estranho, pois o seu rosto me era familiar. E a química agora, é pecado?


Admitir que as pernas tremem e a boca seca ao menor indício da presença do outro, é pecado? Viver uma intensidade emocional; viver um ataque de necessidade de entrega, é normal? Amar sem pudor, sem regras nem imposições, é pecado? Ainda pode se amar assim?


Eu não queria falar. Eu não precisava falar. O brilho desta vez, não era inútil. Cumpriu a função de dizer o que eu emudeci. Foi tudo digno de relato, de relevância. Vontade de buscar o carro e te jogar dentro e cair no mundo. Enfim o silêncio é ouro e eu prefiro assim.







Lorena A.









2 comentários:

FABIANA disse...

Lindo texto explicita bem o que é a paixão...

Saudades de tu amiga

Bjoks

FABIANA disse...

Lindo texto explicita bem o que é a paixão...

Saudades de tu amiga

Bjoks

scraps.


Trimera Casa de Letras.

Blogueiros do Piauí.