sexta-feira, 31 de julho de 2009

Eixo


Olhando a Lua me descobri nela

E descobri quanta graciosidade persiste

Quando o que se deseja é o amor!

Fico a vagar por horas sem saber o que existe

Buscando nadar em vôos nada cômicos

Mas que atomizam o meu desejar.

Tudo que se diz não é mais torto

Nem oco

É preenchimento de querer.

As vidas agora se entrelaçam

Entre mundos

Vidas engatilhadas, prontas para atirarem-se

Rumo uma à outra.

Vida:

Sendo tudo aquilo tudo que pulsa

Aquilo tudo que pensa

E tudo aquilo tudo que nos move...

Traz o descobrir um caminho novo

Percorrido por espírito velho

Mandando vir de longe

Aquele sabor de estrela

Aquele toque de nuvem

E aquele perdão pra sempre...

Na foto, um semblante

De perto um coração

A vida, sem qualquer opção, arde

Tresloucadamente, então

Sigo seguindo-a sem saber sofrer

Protegendo o âmago feito concha

Ou doando o eu

Ou algo que se perdeu no meio

Que já não me pertence mais!

Pois me rendo ao universo

Ao além de tudo

Que me deixa em paz.





Lorena A.

Um comentário:

Diannus do Nemi disse...

Lindo como sempre! fazia tempo que não passava por aqui! =)

sempre muito profundo... adorei.

beijão.

scraps.


Trimera Casa de Letras.

Blogueiros do Piauí.