domingo, 8 de julho de 2007

crítica.


Bom, novamente estou lendo literatura barata. Indústria cultural. Ela também faz parte do meu dia-a-dia. Enfim, após um certo tempo que eu passo mergulhada em grandes autores, permito-me a dar uma escapulida e ver algumas coisas que são geralmente denominadas banais.
Baixei esse livro por acaso, estava na verdade procurando livros de Nietzsche, que é mais que uma inspiração pra mim. Quando não sei como ele apareceu.
O doce veneno do escorpião. O título me soou muito interessante. Escorpiões me atraem... Seu poder de atração é naturalmente perceptível. Mas até aí não fazia a menor noção do que se tratava. Mesmo assim, baixei sem olhar a quem pertencia a autoria desse livro.
Bruna Surfistinha ha ha ha! a tal prostituta dona de blogger, que resolveu abrir todo o seu universo e dividir com os internautas. Já havia visto entrevistas suas na TV, e diversos artigos na Internet.
Comecei então, a minha tragetória dentro desse universo tão sexual, mas também cheio de dor, de angústia e solidão, que é o universo de uma prostitua (de luxo, diga-se de passagem).

Não pretendo aqui fazer uma resenha do livro... até porque não há necessidade de tamanho aprofundamento. Mas digo que a história é no mínimo interessante. Excitante também. Óbvio.

Sinto que no fundo essa tal surfistinha é também uma sofredora acima de tudo. Mas uma sofredora hedonista. Ela amava o sexo e descobriu isso muito cedo.
Ela não receberá nunca o mérito de escritora, mas sua história me fez divagar muito. Já havia lido algo parecido em Onze Minutos, de Paulo Coelho; mas o livro da Bruna é, digamos assim, mais abrasileirado e mais pé-no-chão.
Enfim, o que mais me chamou a atenção não foi necessariamente o conteúdo do livro ou a dimensão de suas histórias, mas a repercursão que isso me causou. O fato de eu estar lendo, provocou muita curiosidade em quem eu menos esperava. Todos a quem eu dizia
o que estava lendo, primeiro, o espanto; depois a pergunta... porque você está lendo isso?
Hahahahaha.
Interessante.
No mínimo interessante.

Creative Commons License


Esta obra está licenciada sob uma
Licença Creative Commons.

Um comentário:

augustodarilucia disse...

Por isso que para mim (na minha opinião), esse tipo de livro se compara aos casos que nos prendem a frente dos cinemas ou das revistinhas, o fato de livrar nossa mente do realismo cotidiano e abrir caminhos para o que realmente nos interessa...no caso desse livro o que vem de imediato ao ler suas 10 ou 15 primeiras páginas, é a livre linguagem sexual, ou seja, ser reralmente vulgar, tendo em mente que 99% dos seres humanos escondem essa natureza...mais que acima de tudo faz parte da nossa essencia, então ao ler um livro desses nossos pensamentos mais quentes vem a tona e etc....hahahahah, por isso q acho que estes tipos de livros chamam a atenção..por que na verdade quem nunca teve vontade de fazer uma orgia?? Fica minha questão no ar....

Por Gudex
Augusto Cardoso

"Idéias partem de nóias, e nóias partem de idéias, ao se respeitar uma idéia, você vê a nóia, quando se respeita uma nóia você cria sua idéia."

scraps.


Trimera Casa de Letras.

Blogueiros do Piauí.